09/01/2012
Um novo ano que se inicia

A virada de um ano sempre traz o impulso por mudanças e empreendimentos novos que ansiamos há tempos. É hora em que olhamos com mais afinco para o plano da dieta, a academia, o curso de formação que tanto ansiamos e para a conta bancária para otimizar as possibilidades.

Encontramos uma conta de chegada, olhamos para frente e falamos para nós mesmos: Vamos em frente! Tô com tudo! Agora vai!

Seguimos em direção aos propósitos, mas, talvez, em metade, tropeçamos.

É aí que começamos a desanimar, barganhar, protelar, abrir consessões.

Mas, seguimos adiante como Dom Quixotes que brigam com moinhos de vento imaginários.

Os resultados são os mais variados: alcançamos êxitos e erros e, para os mais otimistas, há sempre uma nova chance na próxima segunda-feira.

Contudo, me pego pensando onde estão os moinhos de vento com os quais brigamos e para os quais perdemos algumas batalhas?

O que esses moinhos significam e por que possuem tanta força?

Entendo que eles funcionam como filmes que se repetem. Mudam os atores, o cenário, mas o enredo e o desfecho são os mesmos. Tropeçamos nos mesmos lugares e nas mesmas situações.

Parece estranho, mas, inconscientemente, preferimos repetir um padrão aprendido do que construir um novo caminho. É mais seguro, sabemos o desfecho.

Mas, para começar o ano que se inicia prefiro revisar o filme, reconhecer os velhos padrões, entender os mecanismos e promover o novo capaz de trazer novas forças para empreender os desafios.

Assim, desejo que os moinhos de vento soprem boas novas para todos!


« voltar

Maladies chroniques et épreuves du corps chez les professionnels, les patients et leurs familles : pour un soin intégré
Faisant suite à une recherche menée dans les hôpitaux de Rio de Janeiro au Brésil, cet article présente les expériences et les épreuves partagées par les enfants et les adolescents atteints de maladies chroniques, leurs parents et les professionnels de santé qui les accompagnent.