09/06/2013
Sobre entrar na vida adulta

Tem muitas pessoas, talvez uma grande maioria, que se torna o adulto social, ganha dinheiro, conquista uma profissão, casa, tem filhos, mas continua sendo um infante de si mesmo no seu caminho de evolução.

Desperta para os deveres sociais, mas não para as tarefas da Vida, continuam choramingando, culpando os outros pela conquista que depende exclusivamente de si mesmo. Procuram paraísos externos, férias intermináveis, mas não edifica dentro de si as estruturas da libertação.

Mantém-se presos as histórias da infância, da adolescência, repetindo filmes, narrativas e contos, mas não assumem a pena e o papel para o novo capítulo.

Ser adulto não é ter apenas deveres a cumprir que me façam pertencer ao efêmero; ser adulto é nascer dentro, no interior, para o permanente encontro consigo mesmo.

Desse adulto nascerá as bases para uma vida mais plena que deixará novas marcas pela terra e que poderá na velhice voltar para os aposentos contando histórias de transformação.


« voltar

Une place pour les savoirs d’expérience en formation des professionnels de la santé
Face au constat d’une formation des professionnels de santé, et singulièrement des médecins, encore majoritairement marquée par l’enseignement de réponses à un répertoire prédéterminé de problèmes présentés de façon unidimensionnelle et structurée, une question émerge : comment peut-on enrichir la formation dans le cadre d’une pédagogie qui conjuguerait les dimensions épidémiologiques, cliniques et humaines inscrites dans tout phénomène liée à la santé ? Afin de répondre à cette question, cette publication mettre en avant la place des savoirs d’expérience dans la formation en santé à partir du dialogue entre le domaine biomédical et les démarches qualitatives de base biographique.